A Ferramenta dos 6 Passos para a seleção de fornecedores sustentáveis

O fornecedor de um evento é toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira, que desenvolve atividades de produção, montagem, criação, construção, distribuição ou comercialização de produtos ou prestação de serviços.

Dentre os aspectos mais considerados para a escolha de um fornecedor estão: Pontualidade nas entregas, qualidade do produto/ serviço prestado, preços competitivos, antecedentes estáveis, cumprimento de promessas e prazos, apoio técnico, informação no acompanhamento dos produtos e sustentabilidade.

Um desafio de todos que trabalham no segmento de eventos é conduzir o trabalho de forma séria, visando a integridade e a preservação do meio ambiente através de ações responsáveis e, principalmente, na escolha de fornecedores que trabalhem este conceito em seus produtos e processos.

Para auxiliar nesta tarefa, o CBCS – Conselho Brasileiro de Construção Sustentável em parceria com a ABRAMAT – Associação de Fabricantes de Materiais, a CDHU – Companhia de Desenvolvimento Urbano de São Paulo, Editora PINI e com apoio da ANFACER – Associação de Fabricantes de Revestimentos criou a Ferramenta dos 6 passos para seleção de fornecedores sustentáveis.

PASSO 1 – Verificação da formalidade da empresa fornecedora (CNPJ)

Toda empresa deve estar formalmente regularizada com o Governo Federal. Ela tem que estar presente no CNPJ – Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica. Caso ela não esteja cadastrada significa que os impostos não estão sendo recolhidos ou que a mesma não tem existência legal. Em princípio, o CNPJ deve estar impresso na embalagem, no produto ou na nota fiscal.

A verificação da validade do CNPJ deve ser feita no site da Receita Federal: http://www.receita.fazenda.gov.br. Caso o CNPJ seja válido, o sistema retorna o nome completo da empresa e o estado da Federação onde a unidade fabril está localizada. Caso o CNPJ não esteja ativo ou válido, o fornecedor deverá ser descartado.

PASSO 2 – Verificação da licença ambiental

Nenhuma atividade industrial pode operar legalmente sem licença ambiental, concedida pelo órgão ambiental estadual. A existência da licença não é garantia ao meio ambiente, mas a sua ausência praticamente elimina qualquer possibilidade de respeito à lei.

PASSO 3 – Verificação das questões sociais

A existência de um fornecedor na lista de empresas que utilizaram mão de obra irregular a desqualifica como fornecedor sustentável, pela ilegalidade de seus atos.

PASSO 4 – Qualidade e normas técnicas do produto

A baixa qualidade dos produtos é uma fonte importante de desperdício: estes produtos não apresentam desempenho adequado e uma grande parcela deles acaba sendo substituída, gerando custos e resíduos. As normas técnicas são o critério mínimo de qualidade vigente e seu respeito é obrigatório no Brasil.

PASSO 5 – Consultar o perfil de responsabilidade socioambiental da empresa

As empresas que possuem políticas de responsabilidade Socioambiental coerentes normalmente recebem certificados de terceira parte como ISO 14001 e OHSAS 18001. No entanto, também é aconselhável que ela disponibilize o Relatório de Responsabilidade Socioambiental.

PASSO 6 – Identificar a existência de propaganda enganosa

É necessário que o fornecedor confirme a consistência e relevância das afirmações de eco-eficiência dos produtos e processos declarados. Mesmo produtos certificados podem levar a equívocos: qual o critério da certificação? Estes critérios são públicos? Qual a seriedade do processo?

É dever de todos que atuam no segmento de eventos zelar pelo meio ambiente. É importante que trabalhem em conjunto em busca de benefícios.

Acesse o site www.cbcs.org.br e saiba mais sobre o Conselho Brasileiro de Construção Sustentável e a “Ferramenta dos 6 Passos” para a seleção consciente de empresas e materiais sustentáveis.